Lição da Borboleta

No campo verdejante, as flores baloiçavam ao vento, espalhando uma mistura de perfumes suaves.
Preso a um ramo, uma pequena abertura apareceu num casulo.
Caminhando sobre a folhagem, um homem sentou-se a descansar e por vários momentos, parou a observar o casulo.
No seu interior, uma borboleta esforçava-se para que o seu corpo passasse através daquele minúsculo buraco. Durante algum tempo pareceu que ela havia parado de fazer qualquer progresso. Imóvel, parecia igualmente que tinha ído o mais longe que as suas forças permitiam.
Então o homem decidiu ajudar a borboleta, pegou numa tesoura e cortou o que restava do casulo.
A borboleta saiu facilmente daquele aperto mas o seu corpo frágil estava ainda murcho, pequeno e com as asas amassadas. O homem continuou atento a observar a reacção da borboleta, esperando que a qualquer momento as asas dela se abrissem ao sol e se esticassem, sendo capazes de suportar o corpo no seu primeiro voo.

Nada aconteceu...

Na realidade a borboleta passou o tempo da sua vida rastejando com o corpo murcho e as asas encolhidas. Ela nunca foi capaz de voar...

O que o homem na sua gentileza e vontade de ajudar não compreendeu, era que o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura era o modo para que o fluído do corpo do insecto, fosse para as suas asas de forma que ela estivesse pronta a voar, uma vez liberta do casulo.

Algumas vezes o esforço é justamento o que precisamos na nossa vida. Se Deus nos permitisse passar através de nossas vidas sem qualquer obstáculo, Ele nos deixaria aleijados.

Não seríamos tão fortes a enfrentar a adversidade... e nunca conseguiríamos VOAR...


quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Olhar curioso...



"Hoje caminhei na floresta
Pé ante pé para não perturbar
O silêncio da Natureza
As árvores entrelaçadas
Deixaram escapar uma réstea de Sol
Para que te descobrisse
Entre o tapete de trevo
Pequenino, frágil, espreitando
Embrulhado num manto aveludado
Enquanto o teu rosto
Me olhava curioso, atrevido
Escondendo um sorriso discreto
E foi num silêncio absoluto
Que ali te deixei
Para voltar a reencontrar-te
Já menino crescido, sabido
Dominando o verde esperança
Num ambiente sereno
Onde a luz e a paz
Afagam o vazio da alma"

Lena Ferraz

2 comentários:

  1. são muitos bonitas estas flores que lembram histórias encantadas, a fotografia está linda, bjitos.

    ResponderEliminar
  2. Lena, li alguns dos seus poemas, escreve muito bem, poemas lindos e com muito sentimento. Lindas fotos também. xx

    ResponderEliminar